Notícias



Redes do governo têm 48 mil ataques por dia

Em uma audiência sobre terrorismo, há mais de um mês, cinco deputados federais ouviram de uma comissão os problemas graves de segurança nas 320 principais redes do governo.

As informações da notas taquigráficas da audiência, publicadas hoje pelo colunista Josias de Souza, da Folha de S. Paulo, revelam que crackers fazem 2 mil ataques por hora às redes do governo, entre elas a do Serviço Federal de Processamento de Dados (SERPRO) e a do Banco do Brasil.

Raphael Mandarino Junior, diretor de segurança da informação do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), é quem apresenta os dados que constam na taquigráfia. Durante a audiência aos deputados, ele explicou que a maioria dos ataques, ou seja, 70% deles, visam informações bancárias. Já 10% deles são direcionados aos INFOSEG, uma rede do Ministério da Justiça, com o intuito de capturar dados sobre inquéritos policiais e processos. Mandarino revelou que os dados pessoais dos funcionários públicos também são cobiçados pelos crackers. Os ataques para capturar esse tipo de informação representam 15% do total das ocorrências.

Milhões de problemas

Os problemas de segurança, informa a Folha, ocasionam milhões de incidentes nas 320 redes do governo. Em uma delas, os especialistas da GSI contaram 3.8 milhões de problemas como falhas técnicas, tentativas de invasão, vírus, spams e outros tipos de pragas digitais. Mandarino disse aos deputados que ele e seus técnicos analisam cerca de 200 novos malware por mês. Mandarino revelou, durante a audiência, que nem todos os problemas de segurança são simples e fáceis de resolver. Contou ainda aos deputados que um órgão público teve um computador invadido por crackers do Leste Europeu. Eles modificaram as configurações do equipamento, mudaram a senha e o tornaram inacessível. Para "libertar o servidor", pediam 350 mil dólares. O governo não pagou o resgate, contudo, precisou de ajuda de técnicos da Agência Brasileira de Inteligência (Abin) e de especialistas em segurança digital.

Fonte: INFO Online


Acompanhe o desenvolvimento
de seu projeto







Le Play Fagury © 2009 Todos os direitos reservados